Não se deixem enganar pelo título, a lasanha é falsa, mas o sabor está todo lá! 

A semana passada resolvi fugir da rotina, porque acho que com o cansaço e o acumular das semanas temos sempre tendência para fazer mais do mesmo para safar as refeições durante a semana e resolvi fazer uma lasanha saudável com o que tinha no frigorífico. A receita correu bem, adorei o sabor e resolvi partilhar convosco, pode ser que ilumine alguma das vossas refeições do fim de semana ou quiçá da próxima semana (levo todos os dias marmita para o trabalho e sei bem o quanto custa planear o menu semanal). Com a vantagem que é tem muito menos calorias, basta pensar na ausência da massa e do meolho béchamel. 

Normalmente esta receita é feita com beringelas, mas confesso que não adoro o sabor. Em contrapartida, gosto muito de courgettes, é um vegetal que não pode faltar cá em casa, seja para massas, sopas, salteados, recheadas no forno, etc, por isso, já estão ver o que usei para fazer a massa "falsa" não é?


Então cá vai:

Ingredientes para a massa:

3 courgetes médias ou 2 grandes 

Ingredientes para a carne:
  • 500 de carne picada de aves (usei Lusiaves)
  • 500 ml de tomate ou polpa de tomate Guloso
  • 1 dente de alho
  • 1 cebola
  • 1 folha de louro
  • Aipo a gosto (usei metade de 1 talo grande)
  • Cogumelos frescos (usei 200 gr)
  • 2 cenouras médias
  • Oregãos a gosto
  • 50 g vinho branco ou água
  • Queijo ralado 
  • Sal
Preparação:

Lavar as courgettes e laminá-las em fatias finas. Levar ao forno a 220 graus 10 minutos para largarem a àgua e evitar que a lasanha fique com água.




No copo da bimby (ou numa liquidificadora) colocar a cebola, o alho, a cenoura e os cogumelos e picar 5 seg/vel 5 para fazer o molho base desta lasanha.

Adicionar o tomate e programar 15 seg/vel 7. Juntar azeite e refogar 7 min/100°C/vel 2.

Por fim, juntar a carne picada, o louro, o caldo, o vinho, a pimenta e os orégãos, envolver bem e deixar cozer e programe 10 min/100°C/Colher inversa. 

Colocar num pirex uma camada pequena de bolonhesa, a seguir uma camada de placas de courgette e repetir o processo até estar montada. Juntar queijo o queijo ralado e levar ao forno  cerca de 20 minutos para gratinar.




Desculpem as fotos caseirinhas, food styling não é o meu forte!

Bom apetite!

Beijos,

Quando o Duarte era bebé sempre namorei os colares da We Love Ambar, nessa fase pelo lado calmante e protetor, pois são conhecidos por ajudar a aliviar os sintomas associados ao aparecimento da fase da dentição, mas nunca cheguei a comprar porque o miúdo resolveu ser desdentado até completar 1 ano e a partir de aí saltaram que nem pipocas sem grande drama. 

Os mordedores e o gel para as gengivas felizmente ficaram quase intactos. Teve “só” uma otite daquelas que nunca se sabe bem se foi dos dentes ou da natação. Mas tenho amigas que usaram nos filhos e recomendam. Não há nada como experimentar e além disso são peças bem giras - pessoalmente gosto bastante de ver os bebés com estes colares.

E, vaidosa que sou, claro que estes acessórios nunca me saíram da cabeça! Comecei a namorá-los posteriormente pelo lado estético, gosto do âmbar, da cor mel, de serem feitos a partir de um elemento natural e sobretudo por serem seguros. O Duarte adora usar fios, mas não fico descansada com todos, também tenho aquelas paranoias das mães de que o fecho e o material têm que ser seguros. Por exemplo, sabiam que os acessórios da We Love Ambar têm fecho popup e o fio tem sempre um nó entre cada conta? Assim, em caso de rutura, apenas uma cai.

Por isso, este verão decidi finalmente comprar para o Duarte um colar super giro e uma pulseira de âmbar. E, como não posso ver nada, resolvi comprar também para mim a pulseira para fazermos matchy-matchy. Já que existem poucas coisas comuns que podemos conjugar, um acessório pareceu-me uma escolha fofinha.  

Conclusão, as pulseiras são tão giras e confortáveis que nunca mais as tirámos, nem para dormir, nem para tomar banho, já fazem parte de nós e da nossa relação de mãe e filho. Ele acha piada, como se fosse (mais) um elo de ligação nosso. E, além disso, disse-lhe que serve para o proteger quando estou longe e ele sentiu-se confiante (nada como um bom argumento da pessoa em quem mais confiam). É a nossa espécie de amuleto e tem sido útil para ele ser valente na adaptação à nova escola e a todas as novidades que o rodeiam e que lhe causam ansiedade. 


O que até nem está de todo errado, pois os principais efeitos são do âmbar do báltico são

- Calmante natural (tem piada, larguei a medicação da ansiedade desde que o uso, coincidência ou não, efeito placebo ou não, dá que pensar…)
- Analgésico e anti-inflamatório natural 
- Estimula e melhora o sistema imunitário 
- Alivia os sintomas associados ao aparecimento da fase da dentição 
- Funciona também como um protector energético

Porque é que estes benefícios estão associados ao âmbar? 

O verdadeiro âmbar do báltico tem na sua constituição um óleo essencial denominado de succinite, que quando em contacto com a pele tem um poder homeopático. E eu que sempre que posso recorro a estas alternativas e às opções naturais acho que pode ter o seu fundamento. 

E por aí, gostam? São utilizadoras? 

Se sim, fiquem atentas pois em breve vai sair um passatempo!

Beijos,


O primeiro post gerou tanto pano para mangas que resolvi esmiuçar mais um bocadinho este tema que toca tantos pais. Espero que, depois disto, o Duarte não passe a vir cheio de bolinhas vermelhas na caderneta.

Pertenço à classe média trabalhadora deste país e a opção de retirarmos o nosso filho do privado para o ensino publico também passou, é claro, pela questão financeira. Além do colégio dele ter fechado antes do verão e de ter sido transferido temporariamente para outro onde nunca se integrou, o que nos motivou à inscrição no ensino público. Se tal não tivesse acontecido, tinha ficado seguramente mais um ano no privado, com a equipa que tanto gostava e da qual tenho saudades todas as manhãs – sinto falta daqueles rostos a quem confiava a minha vida e da relação próxima que já tínhamos.

Confesso que quando pensei nesta mudança, não pensei nas diferenças que ia sentir, penso mesmo que nem deviam ser tão dispares, mas bom… no privado pagamos e como tal, exige-se também outra “atenção”. O dinheiro é sempre ser um fator de peso em tudo na vida.

Na troca de mensagens que tive com os leitores sobre este tema, chegámos a mais algumas conclusões que achei que deviam ser reflectidas: 

1. 
Número de adultos para supervisionar as crianças

No JI  (Jardim de Infância) da escola do Duarte são 95 crianças: 3 turmas de 25 (o Duarte está numa delas) e 1 turma de 20, para 4 educadoras e 4 auxiliares. Não é preciso sermos génios da matemática para percebermos a média de atenção que isto dá por miúdo. Não quero dizer com isto que não confio no trabalho, como já referi anteriormente, está tudo a correr muito bem e gostei bastante da professora e da auxiliar, temo é que com o tempo se possa sentir alguma falta de acompanhamento individual. No privado, as creches são obrigadas a respeitar as regulamentações da Segurança Social, x miudos por x adultos e não se fala mais nisso. No público é bola para a frente. Claro que existe um limite, mas no privado uma turma chega a 18, no público são 25 para o mesmo número de pessoas. 

2. 
Contacto entre educadora e encarregado de educação

Não existe. A menos que tenhamos um horário de trabalho rotativo ou que estejamos desempregadas, não conseguimos pôr a vista em cima da educadora para estabelecer relação, transmitir um recado ou trocar impressões sobre a adaptação à nova escola. Deixamos os miúdos de manhã no ATL entregues a um elemento rotativo da equipa, ou seja, a pessoa de acolhimento não é a mesma todos os dias e à tarde vamos busca-los ao mesmo sítio, onde uma pessoa que não acompanhou o dia todo dele, nos poderá dizer se algo correu menos bem ou não. Existe uma caderneta do educando onde devem vir e ir os recados, um formato muito mais impessoal a meu ver, mas que infelizmente acho que vai ser o meu único ponto de contacto. No privado, vemos a educadora e a auxiliar quase todos os dias, pelo menos uma delas vemos sempre, até porque, praticam um horário mais alagardo, das 9h às 17h/18h, enquando que no público se pratica o seguinte: 9h30 - 15h30. Não existe qualquer nível de proximidade com professor-educando. Claro que se quisermos temos 1 dia da semana para lá ir falar, mas e toda a informação que se pode perder pelo meio? Os dias são compridos...

3. 
Atenção no acolhimento das crianças pela manhã

Depositamo-los lá e pronto! No ATL, não me conhecem de lado nenhum, não sabem o mue nome, nem o nome do meu filho (menos no JI, aí já sabem o dele), não fomos apresentados no inicio do ano lectivo e o processo é um bocadinho frio... deixamos a cria, damos o beijinho de bom dia, dizemos para se portar bem e vemo-lo ir arrumar a mochila. No privado as auxiliares conhecem todos os pais e as crianças e perguntam sempre se está tudo bem. Tenho esperança que com o tempo isso mude. 

4. 
Brinquedos identificados vs brinquedos perdidos 

Seja no público ou privado, os pais sabem que brinquedos deixam aos filhos levar, embora nem todos os locais aceitem, mas é uma coisa de miúdos, por mais que digamos para não levarem, eles fazem-nos olhinhos e dizem que queria mostrar aos amigos. No privado existe o cuidado de serem identificados para que nada se perca. No público a responsabilidade é da criança (sugiro que identifiquem todos em casa) e do princípio de cada um levar para casa brinquedos que não sejam do proprio filho e não devolver no dia seguinte. Quando isto acontece no privado, circula um e-mail pelos encarregados de educação a pedir a quem viu para devolver. No público "isto acontece mãe, são muitos".  

O sistema está definido assim e quem nunca teve um filho no privado provavelmente não sentirá diferenças, porque não tem termo comparativo. Reforço mais uma vez que a decisão foi nossa e que até está tudo a correr bem. Nem sou uma pessoa exigente com o tipo de escola (não precisa ser moderna e xpto, nem é, o que importa é o ensino e o bem-estar), mas gostava que os pontos 1 e 2, que são de extrema importância no processo escolar não fossem tão dispares. Muitas vezes acusam os encarregados de edução de negligencia, de não ajudarem nas tarefas da escola, de serem ausentes do dia a dia dos filhos, mas o que é certo é que a própria escola não fomenta proximidade entre aluno-educando-educador. Há dias que me sinto à deriva, vejo que voltou inteiro, sei que comeu porque me diz que "sim", mas não sei que actividades fez durante o dia, para o estimular em casa, nem se se portou bem ou mal. 

Para reflectir! 


Amantes do verão, guardem as lágrimas… o outono também traz coisas boas! Regressam os chás, as compotas de abóbora, as tartes de maçã, o chocolate quente, os brownies acabados de sair do forno, os pijamas confortáveis e as noites de séries. Humm... e tudo isto sou-a tão bem, não é?  

Sou consumidora assídua da Fox Life nas horas vagas (e nos raros momentos em que a TV não está ligada no Canal Panda, Disney Channel ou no Nickelodeon!!). No geral, sou uma pessoa pouco exigente com a caixa cinzenta… fico bem com séries e com as notícias (sempre que tenho luz verde do pequeno). 

Lá em casa já todos sabem que existe uma série que é religiosa para mim, até as amigas sabem que, tal como o dia da aula de Body Balance no ginásio é intocável, assim são as minhas 5ªs feiras à noite. Porquê? Nop, não é por ser ladies night no Art, já nem sei o que é sair à noite, muito menos beber 3 vodkas laranja! Porque é dia de “This is us”, na Fox Life, a série que conquistou o meu coração no último ano e que me faz contar os dias da semana até ao próximo episódio como nenhuma outra. Quem me acompanhou nos instastories sabe desta minha paixão pelos Pearson, a família que dá vida a esta história feita de vidas reais. 

Não sei se é por ter família constituída, se por envolver gémeos e de certa forma me tocar, a minha mãe também perdeu um irmão gémeo à nascença e penso sempre em "como seria a família com mais um tio e mais primos?", ou se por retratar situações da vida real  que nos levam a pensar "estes somos nós". 

A forma como a história é contada entre o passado e o presente da família Pearson deixa-me coladinha ao ecrã, a tentar encaixar todos os factos e desenvolvimentos. É viciante! Adoro o casal Randall e Beth, bem como a Kate, que luta contra obesidade mórbida e tem uma ligação quase maternal ao irmão Kevin (o giraço do pedaço).

A segunda temporada de ‘This Is Us’ estreia a na FOX Life dia 28 de setembro, e para quem não sabe, a primeira temporada tem estado a ser emitida em formato maratona durante os sábados deste mês, para se poderem inteirar de tudooo. Vão por mim, é melhor do que a novela da TVI. 



E pronto, a modos que estou aqui em modo espera... impaciente... curiosa para saber se sempre sai casamento entre o Toby e a Kate, se a Beth aceita adotar uma criança, se o Kevin consegue reconquistar o seu primeiro amor e perceber de uma vez por todas porque é que o Jack (o pai deles/dos trigémeos) morreu e porque raio é que a Rebeca (a mulher) voltou a casar e logo com o melhor amigo dele?!

Sou a única viciada? 

Estreia na próxima quinta-feira, dia 28 de setembro, às 22h20!

Beijos,

Hoje começa o outono e é inevitável começar a pensar em botas!

As Sock Ankle Boots - que é como quem diz, as meias-bota chegaram o ano passado de fininho, mas só este ano se estão a afirmar um pouco por todas as coleções das principais lojas. Não há montra que não as tenha e eu já experimentei e gostei. Não sei se são a melhor opção de inverno no que toca a chuva e frio, mas no que ao conforto diz respeito, senti-me dentro de umas pantufinhas. Eu, que até nem uso saltos e tropeço na própria sombra!

De facto, não há nada com experimentar para “testar” e eu fiquei rendida à elegância e comodidade. E há para todos os gostos. Há as acetinadas, as de veludo, as metalizadas, as de mate, as de padrão e até as semi-impermeáveis, a moda está instalada! Ficam bem com jeans, com vestidos midi ou com saias lápis, acabou-se o drama do “não tenho calçado para usar com isto”, as sock boots vão com tudo! Ámen!
Cliquem nas imagens para informação de marca/preço.

Rendidas ou nem por isso?

Beijos,



1.

Olá, primeiras dicas de artes marciais! “Mãe, no outro dia um menino no parque queria-me bater na cabeça”. Mauuuuu! Já começa?! Para já, comecei por dar a recomendação de ir falar com a professora, não quero que seja o queixinhas da escola, mas pareceu-me uma boa estratégia começarmos pelo politicamente correto. Mais para a frente veremos com corre!

2.

Olá planeamento de lanches saudáveis e variados! Pois é, acabou-se a pera doce, o miúdo fica em prolongamento de horário e precisa de levar lanche de casa, dificuldade: enviar um lanche variado e saboroso e evitar que cobice os açucares e os lanches alheios mais apetecíveis ao olhar (pãezinhos de leite, bolicaos, manhanzitos, etc). E pior, o Duarte não liga a pão, se lhe mandar pão com queijo, só come o queijo, ou seja, tenho que encontrar variedade em iogurtes, queijinhos babybel, fruta e bolachas “saudáveis”. Quem mais sente dificuldade nisto?

3.

Adeus chamadas da educadora a meio da manhã ou MMS com fotos fofinhas das atividades em curso. É deixa-los lá e esperar que se encontrem bem ao fim do dia. Se ligarem, é capaz de ser sinal que se espatifaram no pátio! Se não ligarem, podemos respirar de alívio e contar que lá estejam no amontoado de miúdos ao fim do dia. “Mamã, ele hoje caiu ali…ah espere, não foi o seu, era parecido”. Muito mais descansada (ou não)!

4.

Adeus (poucos) casacos caros! Não, não tenho medo que seja roubado. Dou é por mim de manhã a pensar que corro o risco de ele não trazer de volta a roupinha extra. Entrego-o no ATL, está o sol a nascer, onde fica 30m, depois sobe para a sala de JI (Jardim de infância) e sei lá quantas voltas dá o casaco até regressar ao fim do dia ao ATL e à nossa casa! Isto tudo porque ele é despistado e não sinto ainda que tenha qualquer responsabilidade pelas coisas dele (tirando os brinquedos! se perder uma peça de Lego que seja já é um drama digno de se contratar um inspector privado!).

5.

Olá, nódoas negras abundantes. Adeus, piso de borracha "apara-quedas"! As pernas do Duarte deram início a um novo ciclo de vida – as esfoladelas constantes. A escola só começou há uma semana e todos os dias trás um brinde novo nos joelhos. Tenho que comprar arnica, não é? E fazer um carregamento de Bepanthene plus tá visto!

6.

Olá stickers identificativos em todos os pertences! Todos os anos via dezenas de partilhas pelas redes sociais sobre a compra de stickers aqui e ali para etiquetar tudo e mais alguma coisa. Não percebia muito bem a necessidade de ter tuuudo rotulado. Esqueçam, já não sou essa pessoa. Fiz a primeira encomenda de stickers e espero entender-me bem com os termoaderentes para me certificar de que não começamos a perder peças de roupa todas as semanas.

Tirando isto (se é que as coisas acima têm alguma importancia), a coisa até está a correr bem, nem o vou elogiar muito para não estragar. Mostra-se zangado por estar separado dos amigos, à noite simula chamadas telefónicas para os amigos a queixar-se disso, mas… tem ficado lá bem de manhã e já fala em alguns nomes de amigos novos. A professora parece um amor de pessoa, com paciência de santa para aturar uma turma de 20 rapazes e apenas 5 raparigas (invejo-lhe a coragem), e a auxiliar também é muito prestável. Ele diz que come bem, mas que lhe metem comida a mais no prato (antes a mais do que a menos). É só habituar-me a esta nova rotina, a não ter noticias dele sempre que me apetece, e isto tem tudo para andar sobre rodas. Assim também me vou preparando para a adolescência! 

E por ai, como estão a correr os primeiros dias?



Prometido é devido... chegou finalmente o dia de anunciar a sortuda que acabou de ganhar 50€ em compras em cartão C&A, para um regresso às aulas cheio de estilo! 

E a vendedora é:

Raquel Lima!



Muitos Parabéns! 

Vai ser contactada via e-mail!

Obrigado a todo(a)s os que participaram!

Beijos


Arrisco dizer que não existe mulher em Portugal que hoje não saiba que chega ao Lidl a coleção Esmara by Heidi Klum - é o acontecimento do dia - e não venho aqui deixar nenhuma novidade, talvez só um reminder de que hoje é dia de passar por lá! Afinal de contas, não é habitual uma cadeia de supermercados lançar uma coleção desenhada por uma supermodelo, muito menos habitual é encontrar peças de designer a preços acessíveis.

Passando a publicidade, sou fã assumida do Lidl, não há semana (quase dia) que não frequente uma loja - ora para abastecer iogurtes, ora para levar pão quente, ora para repor os frescos da semana. Gosto verdadeiramente dos produtos e já começa a haver muito pouca coisa que não compre lá - cada vez encontro mais variedade e pontos positivos para lá voltar. 

Sobre esta coleção, não posso dizer que me apaixonei por tudo tudooo, mas existem bastantes peças com potencial para looks vencedores e que, a meu ver, são perfeitas e versáteis quer para um dia a dia mais descontraído quer para uma ocasião mais formal. O bomber leopardo, por exemplo, não é o meu estilo diário, mas fica lindamente com uns jeans, uma camisa branca e uns sneakers. O mesmo para o bomber de lantejoulas. É preciso saber conjugar as peças para tirar maior partido delas, por isso, deixo algumas ideias de looks Esmara by Heidi Klum:
Além da roupa (com tamanhos entre o 34 e o 44) a coleção inclui também acessórios e calçado (entre o 36 e o 41), informação útil para quem planeia comprar algumas peças.

PS - Já estive com as jeans nas mãos e gostei bastante da qualidade!
E, já sabem, corram que esgota! 

Alerta meninas do decor! 

A PRIMARK HOME lançou esta semana a primeira coleção cápsula de decoração dedicada aos mais novos (yey!). Já podemos dar um retoque na decoração sem gastar balúrdios. Cá por casa, ando a pensar seriamente nisso, em fazer um upgrade no quarto do Duarte que continuo a adorar, mas está “abebezado” (se é que esta expressão existe mesmo?!).

O que podemos encontrar nesta coleção para dar um refresh?
  • Roupa de cama
  • Cabides
  • Stickers de parede
  • Quadros
  • Caixas de arrumação divertidas
  • Mantas fofinhas
  •  Peluches de parede
  •  e…. uma teeppe unisexo linda e low cost (35€)

E agora, a melhor parte… as peças da coleção:



Só coisas giras, não é?


O primeiro dia de aulas finalmente chegou e é sempre um momento de alegria, ansiedade e orgulho vermos os nossos passarinhos ganhar asas. Queremos o melhor para eles em todas as etapas da vida, desde a educação até ao conforto e pensamos em todos os pormenores, desde a mochila prática e fun até às roupas versáteis e o calçado prático. Sem esquecer o lanchinho caseiro preparado com muito amor.

A roupa faz parte imprescindível dia a dia escolar e das actividades curriculares e não temos como fugir à compra de novas peças em cada estação. Como já tive oportunidade de partilhar convosco, para mim, a C&A é sempre uma boa surpresa e uma escolha segura pelo factor qualidade/preço/durabilidade. Encontro sempre peças giras para o Duarte e se tivesse uma rapariga não tenho dúvidas que seria igual, ora espreitem:


Por isso, para ajudar a equilibrar as despesas extra com a pequenada neste mês de setembro, é com muita alegria que hoje trago uma surpresa para os seguidores do blog, para um regresso às aulas ainda mais especial!

Em parceria com a C&A tenho para oferecer 50€ em cartão para utilizar em qualquer loja da marca. Para se habilitarem a ganhar basta:

1 - Serem seguidores do blog no Facebook e Instagram;
2 - Serem seguidores da página C&A no Facebook;
3 - Identificar 3 amigo(a)s no post do passatempo no Facebook;
4 - Preencher o formulário abaixo (podem participar mais do que uma vez).

O passatempo é válido até às 23h59 de dia 18 de setembro. O vencedor será apurado via randon.org e anunciado dia 19 de setembro. 

Boa sorte!
Raquel 
Hoje estou em modo lamechas. Acordei triste, invadida por ansiedade e pensamentos negativos. O processo de mudança de escola do Duarte tinha tudo para correr às mil maravilhas, uma vez que tivemos a sorte de ele ser logo colocado. No entanto, transformou-se num processo agridoce que me fez perceber porque é que às vezes via pais tão aflitos nas escolas com a colocação dos filhos e não entendia bem todo aquele stress com uma mudança é inevitável e necessária. Agora, sou mãe e percebo bem porque é que é uma coisa que mexe com tudo e todos, desde as novas rotinas matinais que têm que criar, aos novos hábitos de transporte e até o efeito psicológico nas crianças - a mudança assusta-os um bocadinho!
Como disse acima, o Duarte teve a sorte (e nós também) de conseguir entrar, por um fio, para escola que queríamos do agrupamento (wow)! E entrou com quase todos os amiguinhos. Adivinhem quem foi o único que ficou de fora? O melhor amigo! Arg... só para a alegria não ser plena. Chorei baba e ranho com a notícia amarga. Adoro o miúdo, adoro a amizade que eles têm. Não consegui evitar a tristeza nem levar o tema com leviandade, apesar de saber que o meu Duarte (o outro também é Duarte) até é de amizades fáceis e que na escola fará novas e bonitas amizades. Mas bom… eles têm uma ligação emocional forte, nasceram na mesma semana, estão juntos desde os 6 meses, são tão inseparáveis que os outros pais no colégio chegaram a perguntar se eram gémeos. Nesse dia, peguei no telefone e reconfortei a mãe dele. Dei-lhe força para acreditar que ainda ia acontecer um milagre e que ele ia conseguir juntar-se aos amigos. 
Passaram 2 meses e o milagre chegou – uma desistência na escola ditou a entrada do Duarte nº2 da minha vida para a mesma escola do meu nº1. Estava de férias, a mãe ligou-me e celebrámos esta alegria. O meu coração descansou, finalmente. Tudo o que mais queria que acontecesse, até para a mudança não ser tão forte, tinha acontecido. Já não bastava eles terem mudado de colégio forçadamente dois meses antes do fecho do ano letivo. Queríamos evitar ao máximo as consequências de duas mudanças simultâneas.
E agora que finalmente a escola vai arrancar… eis que saem as turmas e de novo vem o sabor agridoce de todo este processo. Adivinhem quem ficou de fora desta vez? O meu. Ficaram todos juntos, menos o meu, que foi colocado noutra turma. E eu gostava mesmo de não ligar a isto, de não ficar com lágrimas nos olhos, mas ser mãe também é isto. Sofrer com eles e por eles. Ontem foi a mãe dele que me reconfortou.
Já o começamos a preparar psicologicamente com reforços positivos: "vais conhecer muitos amigos novos", "vais estar com todos os teus amigos no recreio", mas depois ficamos sem resposta para o “porque é que vocês não conseguiram a mesma turma para mim? e o “porque é que os amigos vão todos e eu não”.
Acredito que daqui a uns meses já tudo estará bem, mas por agora, estou invadida por esta sensação de tristeza e impotência. 
Para já, fica só um nó na garganta... e a doce amargura deste recomeço na próxima semana! 
Beijos,

Sou estreante nestas andanças mas devo afirmar orgulhosamente que estes foram os meus primeiros iogurtes e correram tão bem que resolvi partilhar a receita (a minha mãe chama-me antiquada, diz que fazer iogurtes é do antigamente, eu cá acho que temos que fazer pelo nosso bem-estar).  

Sou, como muitas pessoas, intolerante à lactose e evito ao máximo o consumo de leite simples. Galão, meia de leite, leite com chocolate e todas as alternativas saborosas também são impensáveis, parece que fico com uma pedra no estômago. No entanto, gosto muito de leite e derivados e para não o deixar de o consumir totalmente opto por alternativas mais saudáveis como o leite magro para fazer papas de aveia, por ser mais leve, ou o leite sem lactose, para comer com cereais. Como gosto dos dois, vou intercalando, ou melhor, ia intercalando! 

Para meu espanto e alegria, a Vigor juntou o melhor dos dois mundos e lançou o novo Leite Magro Sem Lactose, o que daqui para a frente me vai facilitar imenso a vida, pois assim não tenho que me preocupar no momento de escolha. Esta é a alternativa que sempre procurei nas prateleiras do supermercado!

Está aprovado nas papas de aveia, nos cereais e também nos iogurtes. Deixo a receita para se quiserem testar:

Ingredientes (p/7 iogurtes):

- 1 iogurte Mimosa Magro Sem Lactose
- 1 litro de leite Vigor Magro Sem Lactose
- 50 gr de leite em pó sem lactose 

Preparação (fiz na Bimby):

Colocar no copo o leite, o iogurte e o leite em pó e programar 4 min/50°C/vel 3.
Terminado o tempo, colocar o liquido na iogurteira (tenho a do Lidl) ou deixar no copo da Bimby abafado com uma manta polar ou saco térmico, durante 13 horas. 

A espessura do iogurte depende da forma como abafamos.

Dica: a textura fica tipo Skyr, não fica cremosa como um iogurte Grego, para quem gosta mais cremoso sugiro reduzir um pouco a quantidade de leite em pó. Para as mais gulosas, sugiro acrescentarem pure de fruta ou mel. 

Beijos,



Gastar pouco e vestir bem é o equilíbrio que todos os pais procuram! Em véspera de mais um regresso às aulas e mudança de estação, impõe-se a necessidade de renovação do guarda-roupa para o regresso à escola, além de todas as despesas extra que surgem com material escolar, inscrições, livros, etc. Setembro é, sem dúvida, um mês pesado para a carteira dos pais.

Para evitar despesas astronómicas com a roupa do Duarte sou uma pessoa que gosta de planeamento, sobretudo no que toca a roupa de outono/inverno que é, regra geral, um pouco mais cara. É muito fácil entrar numa loja e começar a escolher as peças que gostamos, mas se o fizermos sem estratégia, quando damos por ela, estamos a retirar peças porque já temos dígitos a mais na soma. 

Como planeio as mudanças de estação para gastar menos?

1.

Organizo as gavetas do Duarte para ver o que pode transitar de estação: cuecas, meias, calças de ganga, casacos de algodão, long sleves utilizadas nas noites de verão que podem servir de interiores, sweats que ainda servem para os dias de ginástica (raramente coloco roupa de parte sem esgotar todas as suas hipóteses de utilização);

2.
Faço uma lista das necessidades e uma estimativa de peças a usar por semana: x interiores ou t-shirts básicas, x sob-camisolas, x calças confortáveis, 1 ou 2 fatos de treino para os dias de atividades, 1 bom casaco, etc;

3.

Defino o que precisamos comprar com base no que já existe em casa para que as peças se possam conjugar entre si. Versatilidade é o objetivo para multiplicar os looks!

4.

Escolho peças lisas ou com poucos elementos para facilitar as conjugações. Claro que deixo o Duarte escolher uma ou outra peça a gosto, mas normalmente ele até aceita muito bem as nossas sugestões; 

5.

Calçado só escolhemos em outubro quando começa a chegar o frio, desta forma também dura mais.


O equilibro entre a qualidade e o preço - smart shopping

Felizmente hoje em dia é fácil comprar roupa em conta e a oferta é cada vez mais variada, mas também convém que a roupa tenha alguma durabilidade e não fique desgastada nas primeiras lavagens. Quem tem rapazes sabe bem do que falo, é uma desilusão quando voltam da escola com uma calças novas rasgadas na primeira queda. 

Das várias opções do mercado gosto muito de ir à C&A, tem bons básicos, peças divertidas, um bom equilibro entre a bonecada e os lisos para miúdos com estilo e é dos poucos sítios onde conseguimos compor looks completos por menos de 20€ (vale a pena fazer as contas e olhem que sou daquele tipo de pessoa que compara preços). 

No sábado fomos até à loja do Colombo onde acabámos por fazer as primeiras compras e venho muito satisfeita com o que achámos nesta coleção - sim, gosto de comprar em conta mas em bom e giro! É dos poucos sítios em que as malhas custam abaixo dos 10€ por exemplo. Ele está tão ansioso pela ida para a nova escola que nunca se tinha portado tão bem num dia de compras, participou na escolha, quis experimentar casacos proativamente, escolher t-shirts, meias, cuecas, acho que se sentiu especial por o dia ser dedicado a ele e por representar para ele a passagem para a escola dos crescidos. 

Partilho algumas das nossas escolhas, informação de preços e sugestão de looks:



Esq. para direita: Malha cinza: 8.90€| Sweat estampada: 8.90€ | Malha vermelha: 8.90€ | Sweat cinza: 8.90€ | Casaco de inverno: 29.90€ | Casaco camel: C&A coleção 2016 que vai transitar 

Look 1: Calças de fato treino: 6.90€ + Sweat 8.90€ = 15.80€| Look 2: Jeans: 12.90€ + Sweat: 8.90€ = 21,80€ | Look 3: Calças sarja: 8.90€ + Malha: 8.90€ = 17,80€


E por apenas 6.90€ ainda deu para lhe fazer a vontade e comprar a "febre" do momento: camisolas mágicas com desenhos irreversíveis! 

Ficam as dicas :)

Boas compras!

Bom regresso às aulas!