Quando o Duarte nasceu exclamava de boca cheia que não ia ser filho único e que em breve teria outro. Ainda ele devia ter uns três meses na altura e eu lançava a dica à família de que não ia ficar por ali. Sentia-me bem no papel da maternidade, apesar de dormir pouco e de passar os dias inteiros com dor de cabeça por ter em mim todo o sonooo de uma preguiça. O puto até dormia bem e era come e dorme, mas a privação do sono durante a noite para a amamentação davam cabo de mim. Ainda hoje se acordar a meio da noite (e já começaram as idas noturnas ao wc com a gravidez) fico logo com aquela sensação de que não descansei bem. 

O breve na minha cabeça seriam uns 2 anos ou menos. Mas...acomodei-me. Pelos 12 meses começa o desmame e voltamos a ser donas e senhoras do nosso corpo. Que leveza! Adeus soutiens e tops com aberturas e botões extra, olá roupa de gente normal. A seguir chegaram os 2 anos e começa a retirada da chucha, as primeiras birras e os primeiros diálogos, o puto começou a dar um misto de mais trabalho com o prazer de já fazer muita companhia para tudo. Quis aproveitá-lo! Depois vieram os 3 anos e com ele o desfralde, que maravilha, ganha-se toda uma liberdade depois deles largarem as fraldas, os biberons, as chuchas e todo o kit que vem com eles desde que são recém-nascidos e que não nos deixa sair de casa sem recargas de tudo e mais alguma coisa. Senti-me liberta do desfralde, com ele mais independente e a ideia de ir ao segundo passou de prioridade a sonho por cumprir um dia quando sentisse o apelo. 

Nunca deixei de ter vida social após a maternidade e sempre fizemos mil programas a três, mas a verdade é que com o crescimento dos filhos começamos a voltar a ter aos poucos as nossas rotinas anteriores e entramos numa zona de conforto. Sair dela faz-nos hesitar e ponderar, talvez até demais as coisas. O Duarte pede muito um irmão desde os 3 anos, eu sentia um quentinho no coração por uns instantes de depois arrefecia, não se dava o click. Depois chegaram os 4 anos e começamos a achar que “ui, agora já vão ter muita diferença de idade, já devíamos ter tratado disso” e começamos a namorar melhor o assunto, mas continuamos a gostar da zona de conforto.  

Não digo que isto aconteça com todas as mulheres, acredito que algumas sintam o apelo da maternidade de outra forma, mas comigo foi preciso um empurrão, um "tem que largar a pílula" para começar a construir a ideia de ir ao segundo, que sempre quis, mas que não sei porquê "demorou" a avançar. Terei sido preguiçosa, acomodada, egocêntrica ou apenas ainda não era a hora certa? 


Agora que aqui estou, perante esta barriga que cresce cada dia, não podia estar mais feliz com o que aí vem. Voltar ao mundo do cherinho a bebé, das chuchas, das fraldas e dos babetes também é tudo de bom, voltar à maternidade para a magia acontecer é o melhor do mundo. Até hoje não tive um dia tão feliz quando o dia em que o Duarte nasceu, se pudesse voltava a repetir o momento... e é isso que vou fazer :) ! 


Por aí como foi, demoraram a ir ao segundo filho ou foram logo daquelas super decididas?

Beijos,


Andei calada 4 meses, os 3 em que "não se deve dizer a ninguém", não por superstição, mas por precaução, e mais 1 mês em que andei a namorar a barriga só para mim, por isso, agora posso começar a falar sobre o tema sem enjoarem de mim certo? São só mais 5 meses :) Vocês aguentam!

Em primeiro lugar quero saber se há grávidas desse lado a seguir o blog? Acusem-se :) Vamos partilhar muita coisa em comum nos próximos meses... desde o creme das estrias à pomada das assaduras para os bebés. 

Bom... para quem achou que nos últimos meses fiz uma dieta das boas, lamento não ter nenhum truque milagroso para partilhar, apenas larguei a pílula por indicação médica e do nada foram-se 5 ou 6 kgs. E eu que achava que nem era daqueles casos a quem a pílula engorda. O meu útero estava a dar sinais de "cansaço", o spotting era constante e fui forçada a parar uns meses... bom, e já que era para detox pensei em não tomar mais (e não sei se alguma vez voltarei a tomar). E olhem, deixei-me andar... até ao dia em que o período que aparecia sempre matematicamente no mesmo dia de cada mês, fosse ele de 30 ou 31 dias, não apareceu.

Coloquei logo a hipótese de gravidez em cima da mesa, mas achei precoce porque não me sentia grávida. Pensei cá para mim "deve ser do calor", no dia seguinte nada de aparecer "mas estava ainda mais calor, podia ser disso", como se a meteorologia andasse aí a regular as senhoras. No terceiro dia sentia-me irritada como nunca, com os nervos à flor da pele, o corpo tenso e zero vontade de socializar e estar em público. Ainda assim, tinha sido convidada para um evento ao fim do dia e como não gosto de falhar, arrastei a minha pessoa até lá. Ver pessoas diferentes fez-me espairecer, mas a tensão não saia de mim, encontrei uma amiga e disse-lhe "estou irritada como nunca e não tenho motivos, acho que só posso estar grávida", precisava de libertar aquele pensamento com alguém neutro, como se o que lhe estava a dizer fizesse algum sentido. Sai de lá pela hora do jantar, não sem antes beber um copo de vinho branco, já com aquele pensamento de que podia ser o último (não me caiam em cima, para todos os efeitos não sabia de nada) e comecei a pensar que estava na altura de ir comprar um teste de gravidez (algo que nunca fiz do Duarte porque descobri no hospital numa ida às urgencias por infeção urinária e não por desconfiar de gravidez). Mesmo que ainda fosse cedo, qualquer que fosse o resultado já dava para tirar as teimas. 
 
Desviei caminho, parei na farmácia e disse "dê-me, por favor, um teste de gravidez porque estou grávida e preciso confirmar", a farmacêutica perante tantas certezas deu-me logo os parabéns, imaginem! Devo ter sido mesmo convincente. Mas... desenganem-se, não fiz logo o teste. Guardei-o para a manhã seguinte para fazer tudo como manda a bula. Sentei-me no WC à espera da contabilização dos 3 minutos, com todas as certezas do mundo de que era mesmo uma gravidez, mas quando olhei para o visor, nada... só um tracinho, que indicava "não grávida"! Resolvi dar mais um minuto antes de o deitar ao lixo just in case e porque sou teimosa e porque acredito plenamente no instinto feminino. Olhei para o telémovel para continuar a ver o resto das noticias do dia e quando fui espreitar novamente lá estava o 2º traço, timido e quase sem cor ainda, mas era sem dúvida, um positivo! Wow! E com ele toda aquela explosão de sentimentos, situados entre a alegria e o medo de sermos responsáveis por uma vida dentro de nós.

Como foi por ai? Contem-me tudo !

Beijos,

Bom dia alegria!

Eu sei que esperavam um post sobre a gravidez e não o resultado de um Giveaway... mas há que cumprir com o prometido e também é dia de fazer alguém feliz. 

Repararam que eu e o Duarte estamos a usar as pulseiras na foto do "anúncio" da gravidez? (a minha está quase escondida porque achei que um elástico anti quebra de cabelo era mais in (not) para a foto, nunca me lembro de tirar o raio dos elásticos do pulso quando tiro fotos!, mas estão lá as duas, não as largamos).

Bom, e sem mais bla bla bla....a felizarda via random.commentpicker.com é:

- Lúcia Brandão! 

PARABÉNS!!!
P.f entre em contacto comigo via mensagem privada :)


Obrigado a todos por participarem!

Beijos,


O Duarte é, FELIZMENTE, um miúdo muito ativo e cheio de energia. Já várias vezes aqui falei da necessidade que sentimos dele ter atividades extracurriculares para gastar as reservas diárias, caso contrário as pilhas duram ad aeterno para alegria dele e para nosso desespero na hora de ir dormir. “Só” a escola não lhe chega. 

Faz natação. desde os 10 meses, uma vez por semana e está fora de questão sair porque adora. É ele quem nos tira da cama ao domingo de manhã a reclamar pelo leite matinal excitado por ser dia de ir nadar. Está como um peixe na água e não tenho dúvidas nenhumas de que tem contribuído muito para o desenvolvimento dele, afinal de contas é um dos desportos mais completos. Além disso, tem sido giro acompanhar a evolução e os progressos dele dentro de água. 

O ano passado começou, meio por brincadeira, a treinar numa escolinha de futebol com outros meninos pequeninos, mas depois veio o verão e os treinos pararam e agora estamos em fase de avaliação de opções extracurriculares para encaixar a meio da semana (na escola só tem expressão física). O futebol está na calha, sempre adorou jogar, mas desde que viu o filme LEGO® NINJAGO, que está nos cinemas, que imita os movimentos de artes marcais e não se cala com os ninjas e o Karaté. Confesso que sou leiga em artes marciais, nunca fiz, nunca assisti a demonstrações, sei o básico dos básicos. Serve para promover a autodefesa, eleva a autoestima e pode ser útil em situações de bullying (não para andar à pancada, mas sim para não se deixar abater psicologicamente), por isso, fiquei tentada a explorar melhor o tema ir procurar opções para ele. Alguém tem dicas de escolas na zona de Loures/Odivelas? 

Confesso que estamos um pouco divididos entre o Futebol e o Karaté, isto porque não são comparáveis entre si, a primeira é um desporto coletivo e fomenta a partilha, a segunda um desporto individual que promove o autoconhecimento. Cada uma delas tem vantagens e pontos fortes. Frequentar estas duas mais a natação parece-me excessivo quer para ele quer para a nossa carteira, quer para o nosso bem-estar pois também precisamos de horas de lazer e tempo em família, mas gostava de optar rapidamente por uma delas, ele pede e as minhas noites de sono também. Já alguém já passou pelas duas experiências com os filhos? Têm recomendações? Sei que é uma pergunta difícil pois os miúdos não reagem da mesma forma às atividades propostas, mas normalmente as mães são boas na análise destas matérias. Por outro lado, não quero deixar passar muito tempo sem lhe dar opções pois já começa a gostar da playstation e ficar no sofá para mim não é opção de entretenimento para ele, só um bocadinho aos fins de semana. A educação desportiva também faz parte do papel dos mais, a par com a alimentar e com todos os outros valores que temos que lhes transmitir. 

E, como cá em casa não existe a palavra sedentarismo. Todos fazemos desporto e todos temos consciência dos benefícios do exercício físico, até os mais velhos, aproveito este post para vos deixar um desafio para sábado, dia 14 de outubro – o 34º Passeio Mimosa Avós e Netos – um passeio que já fizemos em família e que foi muito divertido. O Duarte encarou o percurso como uma verdadeira missão e exibiu todo orgulhoso a medalha conquistada. Os miúdos gostam destes estímulos para o desporto.
 
O Passeio Mimosa Avós e Netos tem ponto de partida às 10h, no Rossio dos Olivais, e trata-se de um percurso à escolha de 2 a 4km em que se celebra a celebra a família com muita diversão e nutrição, brinca-se às corridas e sensibiliza-se para a importância do desporto em todas as idades e o consumo de leite. 

É um momento divertido de lazer pensado para avós e netos (mas atenção, os pais também podem ir, estivemos todos na 33ª edição). No entanto, se tiverem assuntos extra-kids para tratar, podem aproveitar a dica para tirar um dia de folga e desafiar os mais velhos e os mais novos a ir passar uma manhã diferente ao ar livre, num passeio à beira rio, divertido para todos. 

E, para os fãs, o ator Francisco Garcia é o padrinho desta corrida e vai estar a animar o percurso na companhia das mascotes Mimosa pensadas para deliciar os mais novos. Fica o desafio no ar! 
Quem se vai juntar?

Hoje celebra-se o Dia Mundial dos Animais e não podia deixar de o assinalar aqui. Somos uma pet family assumidamente feliz e não imagino a nossa casa sem os nossos membros de 4 patas

Muitas pessoas perguntam-nos como conseguimos ter tantos cães e, paralelamente ter tempo para cuidar, tratar e passear? 

Bom, a verdade é que se vivêssemos num apartamento isso não seria possível, ou melhor, seria, mas em menor número, provavelmente tínhamos só 1 cão e a nossa vida não era tão animada, nem tão completa.

Ter cães sempre foi o meu sonho de menina e, apesar de ter vivido toda a infância e adolescência numa moradia, os meus pais só deram "ok" ao primeiro cão já eu estava na faculdade - a Noa, uma Labrador Retriver - estão a ver o que penei não estão? Por isso, começaria por dizer que é uma paixão, logo ai é meio caminho andado para correr bem. 

Depois, é preciso ter condições e ajustar ao nosso estilo de vida...

Quando casámos e decidimos reabilitar a nossa moradia, ter cães já fazia parte dos nossos planos (um deles já viva comigo, o Boog que está na foto e que é filho da Noa, que já faleceu), portanto podemos afirmar que temos um T3 + 5! Preparámos a casa para os receber com casotas, escoamento de resíduos e bebedouros automáticos, não para não termos trabalho com eles, mas sim para garantirmos a higiene e a hidratação durante o período diário de ausência. É mais fácil ter cães em moradias do que em apartamentos, jamais teríamos 5 cães num apartamento, até porque prezo muito a limpeza da casa. Assim, nós temos o nosso T3 e eles têm o T5 deles com caminhas e tecto. 

Vivendo no campo é fácil passeá-los, todos os dias correm pelo mato à volta de casa, livres e sem os limites impostos pelos 5m de uma trela extensível, pelo que a questão do cuidar, tratar e mimar também é bem mais fácil. Eles são felizes aqui! A única coisa que logisticamente é mais complicada e dispendiosa é a alimentação e os cuidados pois são muitos. Além disso, a vida no campo implica ter mais cuidado com parasitas, sobretudo pulgas e carraças.

Felizmente no último ano descobrimos a Barkyn, que quem nos segue no Instagram certamente já deve conhecer e também já aqui falei anteriormente. A Barkyn é aquela vizinha que tem tudo e nunca nos deixa desprevenidos: ração, snacks, brinquedos, desparasitante, etc a preços excelentes e que nos entrega tudo em 24h, facilitando bastante a parte logística! 

Já vos tinha falado das Boxes mensais de snacks e mimos para os cães, mas nunca vos falei do serviço de subscrição regular, que é muito útil para os donos. Este serviço é feito através do site da Barkyn e consiste na subscrição (semanal, bimensal, mensal) de ração + snacks ou ração + snacks + desparasitante, ou seja, tudo o que precisamos para cuidar dos nossos pets chega-nos à porta com a regularidade que quisermos (nós é que definimos) para renovar o stock. Existem várias rações à escolha, de vários intervalos de preço, para todos os tipos de cães e etapa de vida. 

Como funciona? Existem duas modalidades: o plano light, desde 4.5€ e o plano premium, desde 9€, por encomenda. Muito em conta e muito completo. As encomendas por aqui chegam super rápido. 

O plano light inclui:
Ração habitual/escolhida
Yummy Bag com 8€ em snacks
Programação de encomendas
Suporte VIP

O plano premium inclui:
Ração habitual/escolhida
Yummy Bag com 8€ em snacks
Barkyn Box de 19€ a cada 3 encomendas
Desparasitante em pipeta de 5€
Programação de encomendas
Suporte VIP

Fica a dica, neste Dia Mundila do Animal :) Se quiserem saber mais sobre a subscrição espreitem o site. A nossa susbcrição chegou esta semana e hoje é dia de pic nic no jardim e alguém está bastante curioso :)


Beijos e saudações patudas! 



Texto:  Raquel Rodrigues / Dra. Gisela Carrilho 

Muitos de vós não sabem, mas a Dra. Gisela era responsável pela criação do menu semanal do antigo colégio do Duarte, desde as refeições aos lanches, tudo passava por ela. Foi uma grande ajuda para a educação alimentar dele e dos coleguinhas, pois sabemos que os miúdos tendem desde cedo a ter preferências alimentares que podem nem sempre ser as melhores senão forem ensinados para isso, por isso quanto mais cedo começarem a ser orientados melhor. 

Com a mudança para o público tive um novo desafio: conseguir preparar lanches variados, saudáveis e… apetecíveis! Não queremos que a lancheira volte cheia ao fim do dia! A escola tem lanche incluído, mas reparei que na maioria dos dias ele trazia na mala o pão de leite intacto (nunca comeu nenhum, é normal não ligar), o queque (confesso que achava que as escolas não davam bolos aos miúdos) e percebi que andava a comer só a fruta e o pacotinho de leite Mimosa. Além disso, começou a pedir-me para lhe mandar o lanche de casa porque gostava mais do meu. Como acredito que esta dificuldade é transversal a muitos pais, pedi ajuda à Dra. Gisela para dicas de lanches saudáveis. 

Lanches escolares – Dra. Gisela Carrilho

Ora aqui está um assunto que me preocupa bastante enquanto profissional pois quando oiço alguns pais planearem os lanches escolares dos seus pequenotes fico assustada com a quantidade de “lixo alimentar” que colocam nas mochilas dos seus filhos. 

Os números da obesidade infantil são assustadores. Em Portugal 28,5% das crianças entre os 2 e os 10 anos têm excesso de peso, entre as quais 12,7% são obesas, de acordo com os resultados do mais recente estudo divulgado pela APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil que analisou uma amostra de 17.698 crianças, em idade escolar, no ano letivo 2016-2017.

Para reverter a situação, o ideal é garantir que as nossas crianças comecem desde cedo a fazer uma alimentação saudável.  Desde os 4 anos que as crianças expressam as preferências alimentares como forma de controlo sobre ambiente que os rodeia.  Aprender a gostar de tudo é um dos ensinamentos que devia fazer parte da educação alimentar de todos nós. Contudo, o problema começa quando os nossos pequenotes dizem: “não gosto” ou “não quero” este ou aquele alimento.  Em idade escolar a tarefa torna-se um pouco mais complicada, mas ainda assim há várias formas de assegurar que o seu filho faça uma alimentação cuidada e que dê resposta às suas necessidades nutricionais. Um bom lanche é o segredo. Atualmente as ofertas são vastíssimas, mas nem sempre isso se reflete na qualidade dos produtos escolhidos. 

O estilo de vida atarefado dos pais; as famílias monoparentais; as dificuldades financeiras; a pressão dos media com programas televisivos que estimulam o consumo de alimentos de elevado valor calórico e baixa densidade nutricional conduzem os pais a colocar na lancheira chocolates, snacks salgados como batatas-fritas, bolos, bolachas, refrigerantes (e afins) que aparentemente parecem inofensivos e bastante consensuais. No entanto, estes alimentos aumentam a ingestão de gordura saturada, sal e açúcares, reduzindo a vitalidade necessária para o desenvolvimento e crescimento físico e mental, diminuindo os níveis de concentração, memorização e aprendizagem. Ou seja, os pais estão a contribuir severamente de forma contraditória ao objetivo comum: melhorar o processo de aprendizagem! 

As refeições a meio da manhã e da tarde, na escola, são os momentos certos para “recarregar as baterias” e fornecer ao organismo os nutrientes que o cérebro necessita para se manter atento e dinâmico. Por esse motivo, faz sentido pensar de que forma podemos tomar melhores decisões e, assim, melhorar a saúde das nossas crianças. 

Assim, aqui ficam alguns conselhos:

Os lanches das crianças podem e devem ser preparados em casa;
Os lanches devem ser práticos e rápidos de comer, devendo evitar-se embalagens e/ou lancheiras difíceis de abrir e arrumar pois é um aspecto extremamente importante para as crianças.
Uma lancheira deverá conter um dos alimentos de cada grupo descrito abaixo, nomeadamente uma fonte de hidratos de carbono, um lacticínio e uma fruta/legume
Deve evitar-se a monotonia e manter a criatividade - os lanches devem ser variados, de forma a tornarem-se interessantes. É importante variar sabores, texturas e cores, para que não haja a sensação de “estar sempre a comer o mesmo”. 


 
Mesmo que seja pão utilize formas como estrelas, corações, flores, formas de animais., bonecos imaginários.
     
Em dias especiais escreva um bilhete simples...uma mensagem dentro da lancheira!
 
As colheres e caixinhas coloridas podem ser uma opção. Também pode optar por caixinhas reutilizáveis, escolha a cor e o super herói preferido do seu filho(a). !


Ofereça alimentos saudáveis – combinados de diferentes maneiras, de forma a tentar variar o mais possível. Deve tentar envolver as crianças na escolha do lanche para tentar também ir de encontro às suas preferências (dentro do possível e aceitável…);
É muito importante garantir a segurança alimentar do lanche enviado e por isso deverá seguir algumas regras básicas como lavar bem a fruta e colocá-la numa caixa de transporte; Embalar os alimentos separadamente; Colocar as bolachas numa pequena caixa para se manterem crocantes (caixas de vácuo Fresh Box); utilizar uma lancheira térmica; utilizar garrafas térmicas  e bolsas de gel/gelo que ajudam a manter a temperatura;
Por fim deverá juntar sempre à lancheira da criança uma garrafa de água.

 
Posto isto, seguem alguns exemplos de lancheiras saudáveis com possíveis combinações: 

1. Iogurte natural/bebida vegetal + tomate cherry c/queijo fresco aos cubos + tostas de centeio 
2. Iogurte natural/bebida vegetal + kiwi + tostas de centeio com queijo à fatia com forma de estrela
3. Iogurte natural/bebida vegetal + tostas de aveia + uvas
4. Iogurte natural/bebida vegetal + flores de pão saloio (miolo) + pêssego às fatias
5. Iogurte natural/bebida vegetal + flores de pão centeio + palitos de cenoura
6. Iogurte natural/bebida vegetal + crepes de aveia com doce 100% de fruta + morangos 
7. Iogurte natural/bebida vegetal + Coração de panqueca de cenoura e coco + gomos de laranja
8. Iogurte natural/bebida vegetal + coração de pão integral c/queijo + pera às fatias
9. Iogurte natural/bebida vegetal + mini-panquecas de banana e maça + uvas sem caroço 
10. Sumo de laranja natural + panquecas de alfarroba e banana + pera às fatias
11. Batido de morango/cacau + tostas de aveia + pera às fatias


Concluindo….

Aprender o quanto antes, e com a ajuda dos pais, a escolher os alimentos mais saudáveis é meio caminho andado para, quando forem autónomos, os mais novos conseguirem fazer as opções mais corretas e mais saudáveis. Por isso encha a lancheira de alimentos verdadeiros como Pão mais escuro, cereais sem adição de açúcar , frutas, oleaginosas, bebidas vegetais e  iogurtes permitindo que o lanche seja, todos os dias, diferente, nutritivo e natural. Comece já a aplicar em casa e depois será muito mais fácil na escola.


Mamãs queridas que me acompanham neste cantinho, a semana passada falei-vos sobre a pulseira igual que eu e o Duarte usamos e que sem querer já se tornou o nosso "lucky charm", que é como quem diz: o nosso elo de ligação quando estamos longe um do outro. Seja pelo elo de ligação, seja pelo lado estético, são tão giras que não apetece tirar nunca. 

Por isso e porque já vi que gostaram muito, que me dizem de começarmos a semana com um super passatempo? 

Em parceria com a Fátima, da We Love Ambar temos para oferecer aqui no blog 1 conjunto matchy-matchy de pulseiras mãe-filho(a) composto por:

 1 pulseira de adulto + 1 pulseira de criança! 

Giro, giro, giro, não é?



Para se habilitarem a ganhar, apenas tem de: 
1. Fazer like na página We Love Âmbar e na página Baby Time
2. Seguir as páginas We Love Ambar e Baby Time no Instagram 
3. Identificar três amigas no post do passatempo (do Facebook)
4. Fazer partilha pública do passatempo

O passatempo termina no dia 8 de outubro às 23.59h.  O vencedor será eleito através do random.org e anunciado no dia 9 após apuramento do regulamento.

Boa sorte!