7

#8 RAZÕES PARA VISITAR MÉRTOLA COM CRIANÇAS

20 abril 2017



No fim de semana passado fugi com os meus (cães incluidos) para o meu cantinho preferido - a casa de família no Alentejo - localizada numa aldeia pequenina nos arredores de Mértola onde passei as melhores férias da minha infância a brincar às escondidas, a apanhar bichos na rua, a jogar ao pé coxinho, à cabra cega, onde os dias pareciam mais longos e as noites se prolongavam com brincadeiras na rua sob a lua cheia e a brisa quente típica do Baixo Alentejo. 
Eram os melhores férias do ano inteiro. Os 15 dias em que tinha verdadeira liberdade. Os únicos carros que circulavam eram a carrinha do pão ou do peixe, que vinha todas as semanas, ou a do senhor que vendia queijos porta a porta, uma tradição que até hoje se mantém, por isso, a minha avó deixava-me andar sempre na rua. É um monte muito isolado, com casas caiadas de branco e barra azul, como manda a tradição, onde os mais velhos viviam do trabalho no campo e de onde os mais novos, os da geração da minha mãe, partiram em busca de melhores condições. Hoje é um monte cheio de história a cada porta fechada e apesar de ainda ter alguns habitantes, só ganha vida nestas alturas festivas em que os filhos da terra regressam e por momentos parece que voltei aos dias da minha infância.
Sempre gostei muito do Alentejo, é lá que mora o meu verdadeiro sentimento de pertença, e apesar do "meu" monte estar cada vez mais isolado, o turismo está a mover a região e são cada vez mais e melhores as opções que se podem encontrar para um fim de semana em família nos arredores de Mértola, longe da vida frenética da cidade e onde se respira paz e tranquilidade. 
Nos últimos dias recebi mensagens de  algumas pessoas a pedir sugestões de programas e alojamento na região e por isso, resolvi compilar alguma informação sobre o que podem fazer pela zona. Sobre os alojamentos falarei num próximo post. 

1 - Visitar o Castelo de Mértola

O símbolo da vila. Assente em estruturas muito antigas na colina mais alta da vila e com uma vista deslumbrante sob o Rio Guadiana, o Castelo de Mértola foi edificado na época cristã. A Torre de Menagem construída em 1292 por ordem de Dom João Fernandes, Mestre da Ordem de Santiago, alberga um núcleo museológico e é um local privilegiado para observação da vila e do território envolvente. Está classificado como monumento nacional desde 1943.

2 - Mergulhar nas Minas de São Domingos

Com uma beleza e uma paz únicas, a praia fluvial das Minas de São Domingos é a maior de duas albufeiras de água doce criadas pela empresa Mason & Barry durante o século XIX para fornecer água para o processamento de minerais de baixo teor. com a cessação da atividade das Minas, em 2000 a zona da Tapada Grande foi transformada em zona balnear e durante o verão é possível fazer-se vários desportos náuticos, com canoagem, stand up paddle ou até alugar uma gaivota para ir explorar a zona com os mais pequenos. Além disso, a água ronda sempre os 20 graus ou mais (e não estou a exagerar). No fim do dia o bar convida a petiscos e imperial.



 3 - Uma avntura até à Cascata do Pulo do Lobo

A mais alta cascata do sul de Portugal, o Pulo do Lobo é formada pelas águas do rio Guadiana, a montante da cidade de Mértola, tem águas claras e cristalinas que se precipitam de uma queda de mais de 20 m de altura perdendo-se num mar de espuma pelo meio de uma garganta rochosa de donde desaguam depois para dar lugar a um lago de águas serenas. As margens neste local apresentam-se altas e pedregosas, e tão apertadas que deram origem a uma lenda que afirma que um lobo em caça as transpunha com um salto. Um programa para os mais corajosos. Eu já lá fui e tive vertigens. Mas não deixa de ser lindíssimo.

4 - Passear nas margens do Pomarão

O Pomarão é uma pequena aldeia alentejana com muito pouca população que faz fronteira com Espanha e fica situada na encosta, na margem esquerda do rio Guadiana, com uma localização geográfica digna das melhores fotos. Entre 1859 e 1860, a empresa proprietária da antiga Mina de São Domingos construiu no Pomarão uma povoação, armazéns, depósitos de mineral, terminal ferroviário e dois cais de embarque, onde atracavam os navios mineraleiros à vela e a vapor que subiam o Guadiana desde a foz. Dali partiam os navios carregados com o minério para varios pontos do país. Hoje a zona é conhecida por organizar o Festival gastronómico anual do Peixe do Rio, em abril. 

5 - Fazer um piquenique nas Azenhas do Guadiana 

As Azenhas do Guadiana são constituídas por duas azenhas e três moinhos de rodete à beira rio. Na maré baixa é possível passar a pé do moinho da margem direita para o que se situa no meio do rio. As Azenhas de Mértola têm uma envolvência de grande beleza paisagística sendo, atualmente uma importante zona de lazer que no calor do verão constitui ponto de encontro e estão dotadas de mesas e bancos de piquenique.
Vale a pena a visita para ver a paisagem das azenhas, mas o local não é seguro para tomar banho. O objetivo da autarquia é candidatar as Azenhas do Guadiana a praia fluvial, tal como as Minas de São Domingos.

6 - Explorar o Museu Arqueológico 

Mértola, a vila Museu, é como a descrição indica uma vila com um passado muito importante, que a coloca desde há alguns anos num patamar de destaque nacional e internacional ao nível da riqueza arqueologica. O Museu de Mértola foi criado pela Câmara Municipal de Mértola em 2004 e é composto por vários núcleos que se encontram dispersos geograficamente por todo o Centro Histórico de Mértola. Tem sido a sua função estudar, inventariar, tratar, conservar e divulgar todo o espólio que, ao longo dos últimos 30 anos, foi sendo descoberto nas inúmeras intervenções patrimoniais e arqueológicas. 

7 - Observar Veados e Burros

Entre os montes Corvos e Corte de Sines está localizada uma reserva natural de preservação da espécie onde é possível observar diariamente a partir da berma da estrada Veados em ambiente natural. Não é possível interagir com os animais, mas a maioria já perdeu o medo e é possivel fotografar e observar sem que fujam. Uns km mais à frente, na freguesia de São João dos Caldeireiros ,existe uma zona de preservação de Burros, onde é possível interagir um pouco com os animais.

8 - Não resistir à Gastronomia 

desde os queijos aos enchidos produzidos de forma artesanal até ao pão cozido em forno de lenha, às costas de Gila, ao mel, à manteiga de ovelha, passando pelas comidas tradicionais como as migas com espargos, a açorda ou o gaspacho, Mértola tem vários restaurantes com vista rio e lojinhas locais com produtos da região onde podem encontrar os melhores sabores da região. No centro da vila existe uma loja gourmet que vale a pena visitar e que recebe diariamente pão caseiro. 
(o nosso forno de lenha, em tempos era de lá que saia o melhor pão que já comi)
Fotos: Canon M10
Também poderá querer ler: http://www.blogbabytime.com/2016/04/quem-ainda-nao-conhece-este-sitio.html
 

7 comentários

  1. Fiquei curiosa para saber qual o seu monte. Essa paisagem junto ao forno não me é estranha... Eu sou dos Fernandes...

    ResponderEliminar
  2. O meu marido é de Morenas e passo sempre lá as férias de verão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão bom, uma paz e tranquilidade únicas!

      Eliminar
  3. Também fiquei com curiosidade em saber o nome do Monte. Eu sou do Monte Alto/Fernandes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O nosso monte é o Simões, em São João dos Caldeireiros!

      Eliminar