0

#Quem ainda não conhece este sítio?

27 abril 2016

Mértola. Este é o meu sítio na terra, a minha essência, a minha origem. Cada vez que lá vou volto revitalizada e de coração cheio. E desde que sou mãe e que partilho as coisas e os locais da minha infância com o Duarte parece que cada viagem é melhor do que a anterior. Levar este curioso de 3 anos atrás garante-nos dias muito agitados, mas acima de tudo felizes. Este fim-de-semana foi particularmente especial porque marcou a primeira viagem de comboio do Duarte, o  primeiro mergulho do ano e adoptamos um amigo muito especial.

Roteiro:

Sábado

  • Viagem de Comboio: Lisboa - Beja.

  • Paragem obrigatória pela OviBeja.

  • De Beja seguimos com destino à nossa casa, num monte sozinho, pertinho de Mértola.

Domingo:

  • Passeio pela Feira do Queijo e do Mel - Mértola (que também inclui enchidos, doces regionais, tascas, mercado local, só pecados alimentares!!)
SAMSUNG CAMERA PICTURES O meu pequeno ratinho lembrou-se de querer comer meia meloa directamente da banca. Não se preocupem, paguei-a, a senhora só teve que me emprestar a faca.[/caption]

  • Passeio à Praia Fluvial Minas de S. Domingos

SONY DSC

DSC00809DSC00823

SONY DSCSAMSUNG CAMERA PICTURES

  • No regresso, paragem na zona protegida de preservação dos veados.

SONY DSCSONY DSC

Segunda-feira:

  • Passeio ao Castelo de Mértola - que infelizmente estava fechado, mas ainda deu para ver a zona histórica da cidade, as escavações e a igreja de origem islâmica. A vista do Castelo sob a vila é lindíssima.

DSC00839

SONY DSCSONY DSC

SONY DSC

IMG_20160425_131218[1]

SAMSUNG CAMERA PICTURES

  • Regresso às Minas de S. Domingos para a despedida em grande deste nosso Alentejo.

IMG-20160426-WA0030[1]IMG-20160426-WA0029[1]SAMSUNG CAMERA PICTURESSAMSUNG CAMERA PICTURESSAMSUNG CAMERA PICTURES
Conseguem sentir a paz deste local? Quem ainda não o conhece, trate de o conhecer! Sem andar de avião, sem kg de bagagem, sem logísticas doidas e parece que fui ali a um paraíso super distante, uma ilha isolada e já voltei.

E por fim, no início do post falei numa adopção. Lembram-se da prenda de aniversário do Duarte? Infelizmente não sobreviveu, não vale a pena estar agora a tentar perceber as mil causas possíveis, era super bem tratada, um aquário xpto com luz, aquecimento, comida variada, bla bla. Eram duas (os avós deram-lhe outra na mesma semana) esta última cresce a olhos vistos e a outra mal se mexia. O pequeno ficou triste, disse logo que a outra agora estava triste. E para quem não acredita em coincidências, elas existem. Na segunda-feira decidi tomar o pequeno-almoço na rua e literalmente tropecei neste pequeno ser quando ia pousar a cadeira no chão. Mal podia acreditar, um mini cágado ali à porta de casa, a mais de 3km do rio, super pequeno, uma cria sem dúvida, talvez perdida, talvez à procura de água, talvez tivesse vindo nas garras de um predador que não o conseguiu comer... e eu que vivi 16 anos com um, foi o meu animal de estimação até à maioridade. Tanto que gostava de ter outro... foi um sinal! Corri com ele na mão para o mostrar ao Duarte que ficou radiante com a "tataruga babé", ligámos ao pai a contar, que também ficou incrédulo. E assim, trouxemos o pequeno para casa, já está instalado e pode crescer à vontade que temos espaço suficiente.

SAM_1458.JPGIMG-20160425-WA0009[1]IMG-20160425-WA0010[1]

Sem comentários

Enviar um comentário