1

#DICAS PARA TER SUCESSO A AMAMENTAR X LANSINOH

30 julho 2018



Neste segundo filho estou a conseguir viver as coisas de outra forma e o facto de já ter passado pela experiência da maternidade anteriormente tem-me ajudado a ter mais calma perante os desafios que vão surgindo. O primeiro após o parto e um dos maiores e mais exigentes da fase new born é sem dúvida a amamentação. Um caminho que escolhi tal como no primeiro filho e onde já somo 4 meses de sucesso.  


No primeiro filho, apesar de ter feito um breve curso de preparação para o parto, não procurei muita informação sobre o tema amamentação pois pensava eu que se amamentar é uma coisa natural, não devia ser assim tão complicado enfiar a criança ao peito e esperar que ela se alimentasse. Devia ser assim tão fácil, mas não é. Exige alguma preparação e resiliência.


Basicamente quando o Duarte nasceu fui atirada aos leões, em poucos dias tinha os mamilos gretados e em sangue. Corriam-me as lágrimas sempre que ele mamava e ficava nervosa sempre que se aproximava a hora dele comer. A pessoa parece que vai cumprir castigo por todas as formigas que pisou em criança ou pelos lápis de cor fanados no infantário só para conseguir encher o estômago-tamanho-de-uma-ervilha do bebé. São uns dias bem tramados ali taco a taco com os baby blues.

 
E a subida do leite em casa? Terrível! Peito sempre em pedra, duches de água quente para aliviar, bomba para tirar o excesso de leite, ameaças de mastite constantes. Quando não estava a cuidar do bebé estava a cuidar do peito e sempre em modo nem-sei-bem-mais-que-lhe-fazer! Mesmo assim o Duarte ainda mamou meses a fio, fruto da minha persistência, mas demorei muito tempo a estabelecer a amamentação e a encontrar conforto.


Felizmente não somos todas iguais e há mulheres a quem até não custa nada, mas tenho para mim que há muitas recém mamãs a penar como eu penei por falta de preparação. E outras tantas a desistir na primeira semana e a passar logo para o suplemento ou LA (se estiverem num grupinho de mamãs do Facebook) porque chega a ser uma prova de fogo. Não as condeno. 


Desta vez fiz tudo diferente. Adotei uma atitude preventiva com recurso a vários produtos disponíveis no mercado para as mamãs que me ajudaram bastante. Não foi tudo fácil, também tive os meus momentos de "vou desistir que isto é uma tortura" mas foi bem mais soft em comparação com a primeira experiência e em menos tempo (muito menos!!) a amamentação ficou estabelecida e sem traumas.




DICAS PARA TER SUCESSO A AMAMENTAR (OU O QUE RESULTOU POR CÁ):


1. 
Amamentar em livre demanda, esqueçam a regra das 3h em 3h, o bebé mama quando quer. E se a maminha da mãe já estiver prestes a estourar é por o bebé a aliviar (que é como quem diz, dar-lhe maminha). 


2. 
Se o bebé mamar e mesmo assim o peito continuar cheio podem usar a bomba extratora de leite para aliviar, mas não aconselho a tirarem muito leite pois pode provocar a produção excessiva. Desta vez nem toquei na bomba na fase de subida, vou usá-la a partir de agora para fazer stock de leite para quando for trabalhar. 

[por outro lado, se tiverem pouco leite, coloquem o bebé a mamar mais vezes e podem estimular com a bomba para aumentar a produção. Cada caso é um caso.] 


3.
Usar logo na maternidade as conchas de leite, mesmo que ainda não sintam dor.  Porquê? Para evitar que os mamilos rocem no tecido do soutien ou camisa de noite e fiquem assados. Os mamilos devem estar ao ar o maior tempo possível e com visitas a entrar e sair esta é a forma mais discreta e prática.
 
 
4. 
Usar também desde a maternidade um creme protetor/cicatrizante de mamilos, o da Lansinoh é o meu preferido, encontram em qualquer farmácia.


5.
Sempre que aplicam o creme, colocar por cima as conchas de leite ou (quando já doem) os discos de hidrogel (estes foram os preferidos), são lifesavers e vão evitar que fiquem em sangue (safei-me graças a eles).
 
[Dica: como são caros, só duram 24h cada e vão precisar de pelo menos duas embalagens, cortem-nos em 4 de forma a taparem só o bico ferido e não todo o mamilo (pois não é necessário) e desta forma estão a multiplicar as utilizações. Outra dica: existe película nas duas faces, rentabilizem e usem as duas faces (assim duram 48h).] 


6.
Se viverem num local isolado ou tiverem um cantinho escondido com entrada de luz natural, coloquem o peito 15 minutos ao sol. Sim estou a falar de topless mesmo, ajuda bastante a cicatrizar.


7.
Se não conseguirem evitar o surgimento de gretas, experimentem amamentar com recurso a bicos de silicone, usei com o Duarte e aliviam bastante a dor.


8.
Quando o bebé mamar e mesmo assim a mama continuar quente e cheia (às vezes parece que temos uma sensação de febre interna), coloquem compressas quente/frio reutilizáveis para aliviar, neste caso frias para acalmar. Se o peito tiver encaroçado utilizem em versão quente e posteriormente massajem com óleo de amêndoas doces para quebrar os caroços. Cheguei a dormir com as compressas em versão terapia fria colocadas no intervalo das mamadas para evitar acordar com elas em pedra. Resulta.


9.
Optem por soutiens sem enchimento, só vão atrapalhar na hora de desviar o tecido para por o bebé a mama e são desconfortáveis. 


10.
Se precisarem de uma bomba extratora de leite, optem por uma eléctrica, as manuais são um 31, quando já estamos a ficar sem pulso é que finalmente começamos a extrair qualquer coisa mais substancial. Em breve falarei da minha aqui no blog. 


11.
Para aumentar a produção de leite (além de pôr o bebé à mama em livre demanda) podem optar por tomar sumplementação, aqui tomei Promil no primeiro mês e beber chás que estimulam a produção, como o chá de Cardo Mariano que encontram à venda no Celeiro (beber 1l por dia) e muita água nos restantes intervalos.


12.
Last but not least...não desistir à primeira. 
[mas se não correr bem também não façam disso o fim do mundo, deram o vosso melhor, ok?]
Os primeiros 15 dias ou mesmo o primeiro mês é o mais complicado até a amamentação estabelecer, a partir daí tudo muda e fica mais fácil. 

 Continuo a amamentar em exclusivo e em livre demanda durante o dia sempre que ele pede, o que dá uma média de mamadas de 2h em 2h e no intervalo da sesta maior 4h. Durante a noite já nem sempre dou pois ele já faz algumas noites completas (embora não tenha isto como um dado adquirido pois o Duarte voltou a mamar de noite com a introdução das papas  existe sempre a famosa regressão do sono que acontece por volta dos 4 meses). A maternidade vive-se um dia de cada vez. 

Espero que vos tenha sido útil e perdoem se foi demasiado longo e descritivo!


Beijos

1 comentário