0

#3 FORMAS SECRETAS DE RESOLVER BIRRAS EM PÚBLICO

23 fevereiro 2017


Sair de casa com os filhos atrás para ir ao supermercado, ao parque infantil, teatro ou a um aniversário é sempre uma caixinha de surpresas, ora corre tudo de feição e aproveitamos os ventos favoráveis, ora tudo é motivo para bater o pé e desejamos voltar para casa o quanto antes. Eu que o diga, nesta fase de afirmação da personalidade dos 4 anos, um puro upgrade da teimosia dos terrible two com a argumentação dos 3 anos, sinto-me a andar de mota sem volante, sem saber onde vou parar.

Vocês também sentem que, por melhor que o plano tenha sido traçado, (ter sido respeitada a noite de sono, o banho, as refeições a horas) as vossas crianças escolhem os momentos mais inapropriados para dar espetáculo em público? E que de repente ficamos sob a mira das restantes pessoas como se estivéssemos sob um teste de parentalidade? Se conseguirmos controlar as birras somos pais TOP, se por outro lado a criança não parar de berrar “coitada, é porque não deve ter educação em casa”.

Ainda no sábado enquanto estávamos a assistir à peça do Capitão Miau Miau uma menina desatou a chorar logo no início, do pouco que percebi, acho que sentiu medo das personagens. É normal, pode acontecer. O que não falta por aí é gente com fobia a palhaços. A mãe nem teve tempo de a tentar acalmar, teve logo que se retirar para o fundo da sala debaixo de uns quantos olhares reprovadores que silenciosamente diziam “cala a tua filha”. São situações incontroláveis e que são sempre mais embaraçosas para os pais do que para os filhos.

Felizmente, o Duarte não é de muitas fitas na rua (desempenha com distinção esse papel em casa, sobretudo para tomar banho), mas tem uma personalidade forte e é de ideias fixas, o que significa que quando as faz na rua “não é para meninos”. E, porque já todo(a)s nós passamos por situações dessas, hoje partilho:

 3 dicas para resolver birras em público

1. 

Criar uma distração


Antes de saírem de casa coloquem na vossa mala algumas “surpresas”. Em caso de birra, puxem para fora o brinquedo novo ou aquele que já estava esquecido há muito tempo, pode até ser um livro, ou um snack. Distrair a criança no imediato pode ser uma forma de contornar o problema.
Quando o mau humor acalmar, então é altura de calmamente discutir a situação. Ajoelhe-se para ficar ao nível dos olhos da criança e, com uma voz clara e firme, diga qual comportamento que espera ver dela. Aguarde até que a tempestade tenha passado antes de abordar o comportamento público apropriado.

2. 

Sorrir


Quando a criança começa uma birra, ela espera uma reação negativa dos pais. Porém, se responderem a uma birra de uma maneira inesperada, o cérebro da criança reavalia a situação e isso muda a perceção da criança do contexto emocional para o racional.
Durante a birra, o seu objetivo é fazer com que a criança comece a pensar logicamente e abandone o estado de choro. Rir durante uma birra é muitas vezes o gatilho que o cérebro delas precisa para deixar a emoção e ouvir os pais novamente.

Outro benefício de rir é que os outros vão achar que está tudo controlado. Rir passa a ideia de que estão conscientes do comportamento da criança, mas despreocupados com a situação. Perder o controle em público só vai fazer com que pareçam impulsivos aos olhos dos outros.

3. 

Estabelecer um sistema de incentivos (não de subornos)


Os subornos têm uma má reputação entre os pais – e eu concordo. Subornar para conseguir bom comportamento é abrir antecedentes para futuras recaídas. Afinal, as crianças só continuam com o que funciona. No entanto, podem experimentar configurar um sistema de incentivos para usar como alavancagem contra futuras birras. Por exemplo: se prometerem à criança pela manhã que vão levá-la ao parque após o almoço, ameacem tirar a recompensa prometida se ela entrar numa birra. Mesmo se não tiverem pré-selecionado um incentivo, podem sempre retirar alguns privilégios como poder ir para a cama um pouco mais tarde ou não terem direito a determinado brinquedo por algum tempo caso a birra continue.

No entanto, não cruzem a linha entre tirar privilégios e ameaçar. Não ameacem nunca uma criança com danos físicos ou castigos. A aposta deve ser sempre em fomentar a cooperação, confiança mútua e respeito. Com jeito é possível incutir respeito sem assustar a criança com submissão.
Muitos pais têm medo das birras públicas, o que é em parte o motivo delas serem tão comuns. As crianças sentem a insegurança dos pais e testam-nos, por isso ter um plano sólido para lidar com as famosas birras ajuda a manter a calma e o controle. A próxima vez que você se depararem com uma birra, experimentem uma destas 3 técnicas discretas e partilhem os resultados.


Beijos

Sem comentários

Enviar um comentário